Custos: Como Calcular

O estudo da contabilidade de custos, fica mais fácil quando se tem conhecimentos básicos em Contabilidade. É por este motivo que se estuda, inicialmente a Contabilidade Básica ou Geral, para depois estudar a Contabilidade de Custos.
Vejamos um exemplo bem simplificado de custos, utilizando como exemplo a produção de doce de leite:
Ingredientes: 8 lt de leite, 1,5 Kg de açúcar, e todos os outros necessários ao preparo do doce, totalizando $ 33,00

Tempo de preparo no fogão: 2 horas
Tempo de trabalho: 4 horas
Rendimento: 5 kg

Pergunta-se: Qual é o custo desse doce?

Quando você vai a uma confeitaria e compra um doce, o custo desse doce, para você, é o preço pago por ele. Entretanto, no nosso exemplo de fabricação do doce, o seu custo corresponde apenas aos gastos com a compra dos ingredientes?
É evidente que não, pois para fazer o doce de leite, além dos ingredientes, foram utilizados: cozinha, mesa, faca, panela, fogão, colher, água, gás e energia elétrica.
Dessa forma, tanto os ingredientes utilizados como os demais elementos que concorreram para que o doce de leite fosse feito tem CUSTO e precisam ser considerados.
Pelo que foi exposto até aqui, você pode concluir que o Custo de Fabricação ou Custo de Produção apresentam duas partes:

PARTE DIRETA: Composta pelos gastos de aquisição dos ingredientes utilizados integralmente na fabricação (tecnicamente conhecidos por Materiais Diretos = MD ou Matérias-Prima = MP) mais o custo das horas de trabalho (tecnicamente conhecidos por Mão-de-obra Direta = MOD). A soma desses gastos também é denominada CUSTO DIRETO, pois suas quantidades e seus valores são facilmente identificados em relação ao produto.
Portanto, no exemplo do doce de leite, pode-se concluir que os MD = $ 33,00 (soma dos ingrediente: ) e a MOD = $ 4,00 (a confeiteira ganha $ 1,00 por hora de trabalho, e trabalhou 4 horas para fazer o doce).

PARTE INDIRETA: Composta pelos gastos com outros elementos que concorreram indiretamente na fabricação do doce, como: aluguel, IPTU, depreciação, gás e energia elétrica (tecnicamente conhecidos por Custos Indiretos de Fabricação = CIF).
O Custo Direto de produção é fácil de ser conhecido, pois geralmente corresponde aos valores integralmente gastos na compra dos materiais utilizados, mais a Mão-de-obra das pessoas que trabalharam diretamente na produção/fabricação.

Por outro lado, para se conhecer o valor dos Custos Indiretos de Fabricação de cada produto, deve-se estabelecer regras e efetuar cálculos para que os referidos custos sejam adequadamente atribuídos a cada produto.

Os Custos Indiretos de Fabricação são assim denominados porque não correspondem a gastos realizados especificamente para esse ou aquele produto. Na empresa industrial, eles beneficiam toda a produção do período. O gasto com aluguel, por exemplo, é indispensável para que a empresa possa existir, porém não está ligado a um ou outro produto; assim, o seu custo deve ser atribuído através de algum critério para todos os produtos que foram fabricados pela indústria naquele período. No nosso exemplo, embora não seja uma empresa, para conhecer o Custo de Produção real do doce, precisa incluir uma parcela do aluguel. Tecnicamente, a distribuição proporcional que se faz para atribuir a este ou aquele produto o valor dos Custos Indiretos de Fabricação, denomina-se RATEIO. Para se efetuar o rateio (distribuição), há necessidade de se adotar algum critério, seja ele estimado ou atribuído. Esse critério é denominado BASE DE RATEIO.

Veja a seguir, com base no exemplo em questão, alguns critérios que podem ser usados como base para ratear o valor dos Custos Indiretos:
Aluguel/IPTU: critério (base) para rateio = horas de trabalho.
Considerando que se paga $ 240,00 por mês de aluguel (IPTU incluído), o valor a ser considerado como Custo Indireto de Fabricação (CIF) é obtido do cálculo:
$ 240,00 / 30 dias = $ 8,00 por dia
$ 8,00 equivalente a 8 horas, assim para 4 horas = $ 4,00

Utensílios: critério (base) para rateio = horas de trabalho.
Os utensílios utilizados para fazer o doce – mesa, panela, fogão, faca, entre outros – não se consomem durante um processo de fabricação. Eles tem tempo de vida útil maior, podendo ser utilizados na fabricação de muitos quilos de doce, durante alguns anos. O critério para incluir no Custo de Produção (CP) o valor do gasto na aquisição desses bens é a DEPRECIAÇÃO.
Através da depreciação, considera-se como Custo do período uma parcela do valor gasto na aquisição dos bens duráveis, em razão do tempo de vida útil estimado para o referido bem. Suponha-se que o fogão, a mesa e os demais utensílios utilizados correspondam à depreciação de $ 720,00 por ano, eqüivalendo à depreciação mensal de $ 60,00. Sabendo-se que foram gastos 4 horas para se fazer o doce, o valor da depreciação proporcional ao número de horas gastas será de $ 1,00 (equivalente a meio dia de trabalho), representado pelo seguinte cálculo:
$ 60,00 / 30 dias = $ 2,00 por dia
$ 2,00 eqüivale a 8 horas, portanto para 4 horas eqüivale a $ 1,00

Gás: critério (base) para rateio = horas de trabalho.
Suponha-se que, por um botijão de gás de 13 quilos, tenha sido pago $ 26,00 e que, para consumir todo o gás contido no botijão, sejam necessárias 26 horas de trabalho. Logo, para cada hora de trabalho de gás consumido gasta-se $ 1,00. Se, para fazer o doce de leite o fogão ficou ligado durante 2 horas, o custo do gás consumido é dado por:
2,0 horas x R 1,00 = $ 2,00

Energia Elétrica: critério (base) para rateio = horas de trabalho.
Considerando que, durante o mês, foram gastos $ 60,00 com energia elétrica e sabendo que a casa tem 5 cômodos, os quais consomem energia elétrica em quantidades proporcionais, podemos estabelecer que a energia elétrica gasta por dia na cozinha corresponde a:
$ 60,00 / 5 cômodos = $ 12,00 mensais por Cômodo
Logo, $ 12,00 / 30 dias = $ 0,40 por dia
Assim, se $ 0,40 corresponde a 8 horas, para 4 horas corresponde $ 0,20.

Agora pode-se concluir que, para fazer o doce de leite, concorreram os seguintes itens:
a) Material Direto $ 33,00
b) Mão-de-obra Direta $ 4,00
c) Custos Indiretos de Fabricação
. Aluguel/IPTU $ 4,00
. Depreciação $ 1,00
. Gás $ 2,00
. Energia Elétrica $ 0,20 $ 7,20 Total = Custo de Produção (CP) $ 44,20

Após todos os cálculos acima, pode-se dizer que os 5 Kg de doce de leite custaram $ 44,20, assim, conclui-se que o custo de produção (CP) é composto por três elementos: Material Direto (MD) + Mão-de-obra Direta (MOD) + Custo Indireto de Fabricação (CIF).

Essa é somente uma abordagem simples, mais com o seu entendimento e o conhecimento da linha de produção ele pode ser largamente utilizado como uma ferramenta de controle.

Comentários

  1. Helio Rodrigues Araujo

    Allan Marquis

    Você deve levar em consideração que a parte construída do imóvel tem um valor diferenciada no valor do aluguel pago, portanto o senhor precisa avaliar qual será este acréscimo no valor construído, pois se fosse somente terreno, sem nenhuma benfeitoria, com certeza o aluguel seria bem menor. Então, estimo que o valor seria de 1/5 para o terreno e 4/5 para a fábrica. Se o senhor achar que estes percentuais não refletem o seu caso, pode consultar uma imobiliária, que lhe dará um valor aproximado de aluguel na sua área.

    Um abraço e sucesso sempre.

  2. Actwell Cuda David

    Gostei da Pagina, e peco uma ajuda para a resolucao do seguinte exercicio: Durante o mes, a empresa comprou 6,000 litros de materiais directos, ao custo total de 16,500. todos os materiais foram usados na producao de 1,400 litros de produto. O custo total de mao-de-obra foi de 28,500. No final do mes foram apurados os seguintes Desvio:
    Desvios de Quantidades materiais directos 1,200, sendo desfavoravel;
    Desvio total de materiais directos 300, sendo Favoravel;
    Deficiencia de mao-de-obra 4,500, e favoravel. Pretende-se:

    Para os materiais directos:
    a) Calculo de Preco Padrao por litro de materiais directos;
    b)Calculo da Quantidade padrao permitida para a producao mensal;
    c)Calculo da Quantidade padrao por unidade de produto.

    PARA A MAO-DE-OBRA:
    a)Calculo do custo real por hora da mao-de-obra directa;
    c)Calculo do Desvio da Taxa de Mao-de-Obra. Agrdecia por muito.

  3. Helio Rodrigues Araujo

    Obrigado pela sua participação.

    Um abraço e sucesso sempre.

Comente